Naveguei | Sem Essa de Amélia
Crônicas   Sexo   Para Eles   Politica Rosa   Twittezow   Naveguei   Entrevistas   Tem Direito   Vou de Free
As Cantoras do Rádio

Naveguei

Cantora Luciana Alves



Mais uma vez vamos falar de um assunto que não sai da boca das blogueiras, leitoras, atrizes e cantoras! O batom Matte Dailus Pro. 

Simmm, os queridinhos do momento( Ummm luxooooo).

Com cores fortes que vão do roxo Fru Fru aos nudes, como Sissone cor de boca e Laço de Fita que é rosadinho, a Dailus traz uma paleta de cores bem bacana e o preço é MARA!!!!!!!!!
 
 A Dona amélia testou e amou... 
 
O que achamos?
 
Pigmentação: A pigmentação dele é muito boa. Em uma passada já fica bem forte a cor, a segunda é apenas para dar mais acabamento ( cores do babado).
 
Efeito Matte: Testamos outras marcas, mas a Daillus veio sambando na cara da concorrência.  Esse é beeem mate, fica tipo uma tinta na boca ( tu abala, mulher)!
 
Transferência: Não transfere no beijo, no copo, na taça ( o namorado amou). 
 
Durabilidade: A duração é total satisfatória. Fim de festa e você com o seu batom impecável ( as inimigas vão pirar)
 
Quer ter um desses?  Temos uma consultura Luxo à disposição de vocês
 
Mariana; (75)91230436 ( entrega pra todo Brasil)
IG; @mari_batonsdailus
 
Diva que é Diva tem sempre um Dailus na bolsa.
 
Beijo, Ninhas!!!!!

Por Sem Essa de Amélia
( 0 )
17/09
às 11:00

Celular roubado, e agora?

Shutterstock

Como proteger informações.

Confira 6 dicas para proteger seus dados e impedir que alguém tenha acesso às informações sobre sua vida pessoal e profissional

Os smartphones e celulares têm sido, na maioria das vezes, alvo dos assaltantes em roubos e furtos nas grandes cidades. Em São Paulo 18 celulares, aproximadamente, são roubados por hora, segundo a Secretaria de Segurança Pública. Outro levantamento, feito pela empresa especializada em segurança digital F-Secure, mostra que pelo menos 25% dos brasileiros já tiveram um celular levado.

Infelizmente, ninguém está livre de um dia poder ser parte desta estatística e a verdade é que com a quantidade de aplicativos móveis disponíveis, cada vez mais informações são armazenadas no dispositivo e uma vez tendo seu celular roubado, muitos dados, como telefone de familiares e amigos, trocas de mensagens e dados de GPS indicando seus caminhos podem ficar armazenados e trazer uma série de dores de cabeça.

Como resistir a entrega do aparelho não é uma ação nunca indicada, é importante saber como bloquear o celular para proteger seus dados e impedir que tenham acesso às informações sobre sua vida pessoal ou profissional.

Confira algumas dicas para evitar prejuízos maiores, caso passe por esta situação:

1) Descubra, anote e guarde seu IMEI

Todos os aparelhos têm um código contra roubos chamado IMEI – (International Mobile Equipment Identify), que pode ser encontrado na nota fiscal, na caixa ou sob a bateria do aparelho. Assim que seu celular for comprado, descubra e anote esse número em um lugar seguro. Outra forma de descobri-lo é digitar *#06# e o numero aparecerá.

Com este número em mãos, esta é a forma mais rápida de bloquear um celular roubado. Após este procedimento, faça um boletim de ocorrência (BO) na Polícia Civil para provar que, caso ele seja usado de forma ilícita, ele não está mais sobre seus cuidados. Feito isso, o próximo passo é ligar ou comparecer a uma loja de sua operadora com os números de BO e IMEI em mãos para bloquear o telefone e o chip.

2) Também é possível bloquear pelo gerenciador do sistema

É possível também bloquear os celulares remotamente por meio dos gerenciadores do sistema. Para qualquer sistema operacional é importante cadastrar e configurar sua conta o quanto antes:

• Para Android

O bloqueio deve ser feito por meio do Android Device Manager, do Google, fazendo login com a conta registrada do aparelho e clicar no item de configuração de bloqueio e limpeza.

• Para iOS

Usuários dos aparelhos da Apple devem entrar na iCloud de outro aparelho e, fazer o login na AppStore ou iTunes e clicar em “Buscar meu iPhone”, que marcará seu aparelho com um ponto verde no mapa. Clique no “i” e siga as orientações.

• Para Windows Phone

Basta acessar a opção “Localizar meu telefone” na loja virtual do sistema da Microsoft. Depois de configurar o serviço será possível encontrar opções para “tocar”, “apagar” e “bloquear” o celular, seguindo as instruções.

3) Mantenha sempre um backup atualizado de seus dados e agendas

4) Não deixe senhas de bancos salvas

5) Baixe aplicativos gratuitos de rastreamento

6) Salve seus documentos importantes em aplicativos com senhas



Marcello Ursini - tem mais de 20 anos de experiência na área de Marketing e em empresas do ramo digital, além de MBA pela PepperdineUniversitySchoolof Business, de Los Angeles, Califórnia e graduação pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Atualmente, é o diretor-geral da
BemMaisSeguro.com, site de e-commerce, pertencente ao grupo ProtectYourBubble, que oferece seguros para smartphones, eletrônicos, pets e viagens.

 

Fonte: Administradores.Com

 

Por Marcello Ursini, Administradores.com
( 0 )
Reprodução
Por Acidez Feminina
( 0 )
Ilustração

Casal abraçado: Companheira fica com metade dos bens comprados durante a união, mais uma parte da herança

 

O que fica de herança para a companheira?

Internauta vive há 11 anos com sua companheira e pergunta quais serão os direitos dela sobre sua herança


Dúvida do internauta: Gostaria de saber se minha companheira tem direito à minha herança, levando em conta uma relação de 11 anos e dois filhos? Observação, não nos casamos no civil. 

Resposta de Rodrigo Barcellos:*

A situação vivida por você e sua companheira configura união estável, pois, segundo as informações passadas, vocês são um casal que convive há 11 anos, pública e continuamente, com o objetivo de constituir família, características que definem a união estável, nos termos do artigo 1.723 do Código Civil.

Sobre os direitos hereditários, disciplina o artigo 1.790 do Código Civil que: “A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável”.

Portanto, a herança a que a companheira terá participação está limitada aos bens adquiridos onerosamente (comprados) durante a convivência. São os chamados “bens comuns”.

Como o regime de bens definido na união estável é o de comunhão parcial de bens (quando não é definido expressamente nenhum outro regime), sua companheira já é meeira. Isto é, quando um morre, o outro tem direito à metade dos bens adquiridos a título oneroso na constância da união (art. 1.725 do Código Civil). 

Cumpre ressalvar que, a sucessão do cônjuge e do companheiro é um tema ainda controvertido pois questiona-se a constitucionalidade do artigo 1.790 do Código Civil.

No seu caso, aplicando o art. 1.790 do Código Civil e partindo da premissa de que os filhos são do casal (bilaterais, portanto), além da meação (metade dos bens comuns), a companheira terá direito a uma quota equivalente a dos filhos na herança apenas dos bens comuns (inciso I do art. 1.790 do Código Civil).

Assim sendo, considerando a meação (50%) e a parte da herança (16,66%, ou um terço dos 50% restantes dos bens comuns), a companheira receberá 66,66% dos bens comuns.

Ela não terá participação alguma na herança dos seus bens particulares, que consistem na parte do seu patrimônio que foi adquirida antes da convivência com sua companheira e os bens adquiridos por doação ou herança na constância da união estável.

Vale acrescentar que o Código Civil trata o cônjuge, no casamento civil, e a companheira, na união estável, de maneira diversa: se o internauta fosse casado com a companheira sob o regime de comunhão parcial de bens, sua esposa teria direito à meação dos bens comuns e herdaria apenas a fração dos bens particulares em concorrência com os filhos, seguindo a corrente majoritária adotada pelos Tribunais.

Editado por Priscila Yazbek, de Exame.Com

Por Exame.Com
( 0 )
Ilustração

 

Um manifesto pelas garotas sexualmente livres.

Você andou dizendo por aí que não sou "mulher pra casar" porque "me comeu" no primeiro encontro. E, portanto, "não me valorizo". Talvez você imagine que estou arrasada por não receber mais suas mensagens. Deixa eu te contar uns segredos. Quem disse que eu quero me casar? Que, se eu quisesse, seria com você? Não foi você quem CONSEGUIU me comer, fui eu que DECIDI te dar. A lógica é inversa. Eu me valorizo tanto que não preciso da opinião alheia para saber quem sou e quanto valho. Valorizo o que eu sinto, não represo meu desejo nem finjo ser outra para agradar seus padrões moralistas. Se você categoriza garotas assim, EU é que não te considero "homem pra compartilhar a vida". Quero um cara que me enxergue muito além desse seu critério.

Porque, se eu transei na primeira ou na vigésima vez, não faz a menor diferença. Eu continuo gostando de Rolling Stones, cuidando da minha avó doente, planejando a próxima viagem exótica, passeando com a minha cachorra, tentando entender as raízes históricas da guerra entre Israel e Palestina, pagando minhas contas, cozinhando o melhor feijão do planeta, morrendo de rir com as amigas que cultivo desde a infância, sendo elogiada pelo meu desempenho profissional... A sexualidade é apenas uma das minhas facetas. Mas, para você, ela é nota de corte. É suficiente para me tornar desinteressante aos seus olhos. Entende como o seu machismo diz muito mais sobre você do que sobre mim? E quão rasa é a sua percepção sobre as pessoas?

A verdade é que tô aliviada. Agora EU posso fugir de você. Homens com esse tipo de atitude não aceitam mulheres bem-sucedidas, aquelas que eventualmente têm um salário maior que o deles. Também jamais admitiriam que eu tenha tido uma vida sexual ativa antes de conhecê-los. Ou que eu saiba fazer um boquete incrível ("onde essa vagabunda aprendeu isso?") e fantasie com um ménage. Não duvido que me encheria de porrada se descobrisse que guardo um vibrador e me masturbo com frequência ("ela tem prazer SEM mim?"). Homens desse naipe tentariam me proibir de encontrar as amigas para beber, regulariam o tamanho da minha saia e fuçariam o meu celular. Credo.

Definitivamente, você só serviu para uma trepada mesmo. E, olha, confesso que esperava mais de você. Nunca namoraria um cidadão que não faz sexo oral e goza antes de me satisfazer. Acho meio antiquado e egoísta, sabe? O amor que eu almejo é generoso em todos os sentidos. Tem a ver com cumplicidade, igualdade e respeito. Veja, não estou convocando todas mulheres a transarem de cara. Estou defendendo o direito legítimo daquelas que tiverem vontade. Sem que essa atitude interfira na forma como elas serão tratadas no dia seguinte. O papo tá ótimo, mas agora eu preciso ir. Não imagine que te quero mal. Apenas não te quero mais.

 

 

Texto publicado originalmente no blog Pimentaria.


Fonte:
BrasilPost.

 

Por Nathalia Ziemkiewicz - Jornalista, idealizadora do Blog Pimentaria
( 0 )
Divulgação

Seminário Nacional debaterá protagonismo da mulher na cultura

De 28 a 31 de outubro, a capital baiana, Salvador, receberá agentes de todo o Brasil para o Seminário Nacional Mulher e Cultura (SNMC), no qual debaterão as ações e os espaços de visibilidade das mulheres em alguns segmentos da Cultura. Realização da Fundação Pedro Calmon/Secretaria de Cultura do Estado, em parceria do Ministério da Cultura (MinC) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Seminário trará mesas de debate, apresentações culturais e rodas de diálogo, tendo como principal objetivo fortalecer as ações culturais realizadas por mulheres ou sobre mulheres, além de promover reflexões e debates sobre a temática. O Seminário será aberto no dia 28 de outubro (terça-feira), no Quadrilátero da Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Barris), a partir das 19h e as inscrições (gratuitas) começam nesta segunda (15), por internet.

 O Seminário será um espaço de convivência e troca de experiências acadêmicas, artísticas e culturais, a partir da interação entre diferentes agentes femininos de cultura do Brasil, tendo como finalidade o fortalecimento de uma rede de articulação feminina em todo país. É voltado para mulheres que apresentem atuação na temática cultural e perspectivas enquanto multiplicadoras, que tenham militância no segmento ou desenvolvam pesquisa sobre o tema central do evento e os transversais. A inscrição é gratuita, mas as vagas são limitadas e será feita – EXCLUSIVAMENTE – pela internet, no hotsite do evento www.fpc.ba.gov.br/mulherecultura, no período de 15 a 22 de setembro.  Para garantir a presença de mulheres de todo o país, a produção do evento custeará passagens e hospedagens, conforme ​seleção  da Comissão de Inscrição do Seminário. 

 As Mesas de Debates terão como temas: “Mulher: Tradição e Contemporaneidade”, “Mulheres da Cultura”, “Mulher, Cultura e Comunicação”, “Mulheres e Conhecimentos Tradicionais” e “Cultura e Contemporaneidade”, de 29 a 31 de outubro. Neste último dia, serão realizadas ainda as Rodas de Diálogos, com temas que ampliam as discussões centrais. Dentre as convidadas, estão a yalorixá, Beatriz Moreira Costa, a Mãe Beata de Yemanjá (RJ), a indígena do povo Omágua/Kambeba, mestra e escritora, Marcia Kambeba (PA), a jornalista e diretora do Coletivo Intervozes, Beatriz Barbosa (BSB), a doutora em Literatura Comparada da UERJ, Fernanda Felisberto e a integrante da Brigada de AudioVisual do Coletivo Nacional de Cultura do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Ana Chã (SP).

Histórico 

Ao adotar como um de seus princípios a igualdade e o respeito à diversidade, o II Plano Nacional de Políticas para Mulheres registrou que a promoção da igualdade de direitos entre mulheres e homens requer respeito e atenção, dentre outros aspectos, à diversidade cultural. Nesta linha, a SecultBA vem implementando os debates sobre mulher e cultura desde a IV Conferência Estadual de Cultura, que possibilitou discussões segmentadas sobre a temática. Além disto, em 2013, foi realizada a I Conferência Setorial de Mulher e Cultura, que encaminhou para encontro nacional demandas específicas do setor e articulou a formação de um grupo de debate para dialogar juntamente com os órgãos, as proposições de demandas.

Entretanto, no universo ampliado das manifestações culturais, a presença da mulher, apesar de visível e marcante, nem sempre é devidamente valorizada. O Seminário Nacional Mulher e Cultura reforça a proposta da criação de um espaço de interação entre diferentes agentes femininos de cultura do Brasil. Mais do que ampliar o espaço de diálogo, este Seminário destaca a relevância do debate sobre a participação feminina nos diversos espaços governamentais e de consulta; fortalece as discussões dos segmentos através das mesas temáticas e otimiza a criação de estratégias para divulgação e fortalecimento das ações em rede.

 Além dos debates, o Seminário Nacional Mulher e Cultura contará também com apresentações culturais femininas – música, teatro, recitais -, espaços de leitura, com a Biblioteca Móvel, ao longo da programação, que será encerrada com show na Praça Tereza Batista – Pelourinho. Paralela às atividades, acontecerá também, nos dias 28 e 29, a Mostra de Filmes “Mulheres, Cultura e Contemporaneidade”, na Sala Walter da Silveira, gratuitamente. Toda a programação do SNMC poderá ser consultada no endereço  http://www.fpc.ba.gov.br/mulherecultura , a partir de onde também serão transmitidos os debates.

SERVIÇO

O que: Seminário Nacional Mulher e Cultura – SNMC

Quando: 28 a 31 de outubro de 2014

Onde: Complexo Cultural dos Barris

Gratuito

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO AQUI.

  

Fonte: Fundação Pedro Calmom

 

Por Jamile Menezes
( 0 )

Conheça a história da atriz, diretora e professora Cilene Guedes, considerada dama do teatro camaçariense.

Reportagem: Andressa Costa/ Eduardo Cavalcante

 

Por Tv Câmara Camaçari
( 0 )
12/09
às 09:00

Vai um chazinho aí?

Reprodução
Por Sem Essa de Amélia
( 0 )
29/08
às 11:00

É bom, e a gente gosta!

Ilustração

Sexo melhora para casal que divide tarefas domésticas, revela pesquisa


Este ano, o The New York Times publicou um artigo controverso sugerindo que, quando os homens ajudam com as tarefas domésticas – em vez de as mulheres fazerem tudo --, o casamento e a vida sexual do casal sofrem.

Agora, novas pesquisas estão rejeitando essa ideia.

De acordo com um artigo escrito por Sharon Sassler, professora da Universidade Cornell, para o Conselho das Famílias Contemporâneas, as estatísticas citadas pelo The New York Times são desatualizadas, tomadas de casamentos do fim dos anos 1980. Sassler e colegas decidiram analisar dados mais recentes (de 2006) e eis o que descobriram:

“Casais que dividem o trabalho doméstico fazem sexo pelo menos com a mesma frequência, e estavam pelo menos tão satisfeitos com a frequência e a qualidade do sexo, quanto casais em que a mulher faz a maior parte das tarefas da casa”, escreve Sassler. “Na verdade, esses parceiros igualitários tinham um ranking um pouco melhor nessas categorias, relatando mais sexo e mais satisfação com a frequência e a qualidade do sexo que casais convencionais.”

De fato, um estudo de abril de 2014 publicado na Sex Roles aponta que, quando as tarefas domésticas são divididas mais igualmente, as mulheres relatam melhores índices de satisfação marital, portanto rejeitando a ideia de que um homem aparentando feminilidade – lavando louça e passando aspirador de pó – poderia tirar o tesão das mulheres.

O mesmo é verdade para o estudo de Sassler; uma parceria mais igualitária leva a um sexo igual ou talvez até mesmo melhor. “Se mais homens percebessem que a frequência sexual era maior quando a carga doméstica tem uma divisão mais igualitária, talvez eles pegassem na vassoura mais vezes”, escreve ela.

 

Por Brasil Post | De Taryn Hill
( 0 )
Ilustração

Há uma razão para que a pele fique um pouco diferente depois das festas do fim de semana: o que se come aparece na pele, para o bem e para o mal

 

01 Doces

Uma sobrecarrega de açúcar pode iniciar um processo de glicação - quando se come mais açúcar do que as células podem processar, o excesso das moléculas de açúcar se combinam às proteínas sem a atuação de uma enzima. Esse processo aleatório prejudica o funcionamento das biomoléculas, atinge o colágeno e causa o envelhecimento da pele.

 

02 Álcool

Uma pele saudável reflete um fígado saudável. Isto porque, quando o fígado trabalha bem, as toxinas que poderiam se acumular e afetar a pele são expelidas naturalmente. Quando isso não acontece, essas toxinas não são quebradas e causam uma série de problemas, como acne, rugas e rosácea. Além disso, o álcool desidrata e é ruim para o sono, dois fatores que também afetam a pele.

 

03 Carne de churrasco

O carvão do churrasco pode ter hidrocarbonetos pró-inflamatórios que podem ser um problema, já que a inflamação rompe o colágeno da pele. Não é preciso banir o churrasco, mas pelo menos limpe grade e espetos para não contaminar sua próxima refeição.

 

04 Alimentos salgados

Você pode nem usar sal para cozinhar, mas isso não garante a sua ingestão de sal é baixa, já que muitos enlatados são preservados com o sódio, assim como sucos de frutas em caixa - o que pode fazer você reter água e provocar um olhar inchado. Para uma emergência, aplique um hidratante à base de cafeína para combater a retenção de líquidos.

 

05 Carnes processadas

Linguiça, bacon e outros embutidos têm sulfitos e outros conservantes que podem desencadear a inflamação na pele e acelerar o processo de envelhecimento, além de serem ricos em sal. Se não conseguir dizer adeus para sempre, use menos carne e exagere nos vegetais.


Por O Globo.
( 0 )